notícias | créditos e apoios | cadastre-se  
< voltar
Kaingang

Os Kaingang são um povo pertencente à família Jê e juntamente com os Xokleng, formam os Jê Meridionais.  Os Kaingang ocupam atualmente 46 terras indígenas localizadas nos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e sua população está estimada em 37.470 pessoas (IBGE, 2010).

Em São Paulo, os Kaingang ocupam duas terras indígenas na região Oeste do estado: Icatu e Vanuíre. Lá residem com índios dos povos Terena, Krenak, Fulni-ô e Atikum. Segundo dados da Sesai, a população em Icatu é de 155 pessoas, e a de Vanuíre é de 225 pessoas. As duas terras encontram-se demarcadas e homologadas.

História

As primeiras notícias referentes aos Kaingang no Estado de São Paulo datam de 1773, a partir do levantamento fluvial dos rios Tiete e Paraná realizado pelo Brigadeiro Sá e Faria que informa que índios teriam aparecido à margem esquerda do Paraná, entre o Aguapeí e o Peixe (Comissão Pró-Índio de São Paulo Índios no Estado de São Paulo: Resistência e Transfiguração, São Paulo: 1984).

Até as primeiras décadas do século XX a área cortada pelos rios São José dos Dourados, Tietê, Feio, Aguapeí, do Peixe e Santo Anastácio era “sertão desconhecido”, habitado por índios considerados perigosos e hostis. Somente a partir desse período é que a ocupação por não índios da região oeste do Estado de São Paulo só se efetivou (Idem).

Foi a partir de 1850, que a região passou a ser colonizada através de núcleos de subsistência – compostos fundamentalmente de migrantes de Minas Gerais -, da expansão cafeeira e da implantação de estradas de ferro. E os conflitos com os Kaingang recrudesceram. O conflito envolvendo a construção da Ferro Noroeste que cortou o território indígena foi violento e envolveu “caçadas” e chacinas de grupos Kaingang efetivadas por bugreiros contratados pela Companhia Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (Idem).

Foi nesse contexto que o Serviço de Proteção ao Índio (do governo federal) organizou a “pacificação” dos Kaingang que se efetivou em 1912. A “pacificação” e a vida em reservas não trouxeram melhor situação para os Kaingang que tiveram num período de 15 anos (1912 a 1916) sua população reduzida em mais de 80% (Idem). 

 

© 1995-2012 Comissão Pró-Índio de São Paulo. Todos os direitos reservados.

acesse-nos nas redes sociais: