MINERAÇÃO RIO DO NORTE

A Mineração Rio do Norte (MRN) é a maior produtora de bauxita do Brasil (matéria prima utilizada na produção do alumínio) e a terceira maior operação do mundo (MRN, 2014). A Mineração Rio do Norte atualmente tem como acionistas oito grandes empresas de mineração: Vale (40% das ações); South32, empresa resultante de uma cisão de ativos da anglo-australiana BHP Billiton em 2015 (14,8%); Rio Tinto (12%); Companhia Brasileira de Alumínio (10%); Alcoa Alumínio SA (8,58%); Alcoa World Alumina (5%); Hydro (5%); e Alcoa Awa Brasil Participações (4,62 %).

As operações da MRN consistem na extração do minério, beneficiamento, transporte ferroviário, secagem e embarque de navios. A estrutura da MRN em Oriximiná inclui parque industrial para secagem do minério, 25 barragens para armazenamento de rejeitos e água, ferrovia de 28 quilômetros, porto para embarque dos navios que transportam a bauxita e duas usinas termoelétricas. Além de uma vila fechada (a cidade-empresa Porto Trombetas) onde vivem cerca de 6.000 pessoas (funcionários e seus familiares) que conta com hospital, escola e aeroporto próprios.

Em 2017, a MRN produziu 16,280 milhões de toneladas de bauxita, 10,5% abaixo dos 18,202 milhões de toneladas produzidos em 2016. Essa diminuição decorreu do fato das chuvas de 2017 terem ido as menores de todo o histórico da empresa e dos consequentes baixos níveis de água nos seus reservatórios. Do total das vendas em 2017, 56,5% foram destinados ao mercado interno (suprindo as refinarias da Alunorte e da Alumar); 43,5% foram destinados ao mercado externo, sendo 13,8% para Ásia (China e Índia); 12,5% para o Canadá; 12,4% para a Europa e 4,8% para os Estados Unidos (Fonte: MRN, 2018).

A extração da bauxita teve início em 1979. As atividades de extração e beneficiamento do minério ocorrem dentro da Floresta Nacional Saracá-Taquera, unidade de conservação federal, onde estão localizadas também 23 barragens de rejeitos da MRN. Cálculos realizados a partir de dados do DNPM indicam que 27% da dimensão da Flona está disponibilizada para as concessões de lavra da MRN. A extração da bauxita implica o total desmatamento da floresta e a escavação do solo até alcançar a área do minério que se encontram a uma profundidade média de 8 metros.