Ciclo de formação sobre as eleições de 2022 inclui encontros virtuais, materiais informativos e podcasts destinados a quilombolas e ribeirinhos em Óbidos e Oriximiná, no Pará.

Série Eleições 2022

Em um ano de eleições importantes para o futuro do Brasil, a Comissão Pró-Índio de São Paulo promove o “Ciclo de Formação – Eleições 2022”, uma campanha pelo voto consciente junto a comunidades quilombolas e ribeirinhas em Óbidos e Oriximiná, no Norte do Pará. Como explica Lúcia Andrade, coordenadora executiva da ONG, “a campanha visa alertar para o que está em jogo no pleito de 2022, promover uma reflexão sobre a importância do voto e estimular que cada eleitora e cada eleitor busque conhecer as propostas dos candidatos e candidatas para uma escolha consciente”.

Desde o início do ano, estão sendo conduzidas oficinas virtuais com membros das comunidades sobre importantes pontos da vida política brasileira, como: a história do voto no Brasil; o papel dos partidos políticos; as funções exercidas nos diferentes cargos em disputa nessa eleição. Além disso, foram elaborados fascículos informativos que estão sendo distribuídos pelas lideranças nas comunidades.

Completam o “Ciclo de Formação – Eleições 2022” os novos episódios da “Rádio da Pró-Índio” – podcast que é veiculado na Rádio Comunitária Santana de Óbidos e na Rádio Comunitária de Oriximiná (RCO). Os três episódios serão lançados entre maio e julho e abordam diferentes aspectos do sistema político e das eleições de outubro. O primeiro deles foi lançado na última quarta-feira (25 de maio).

A campanha já tem deixado o alerta nas comunidades “Eu mesma já disse ‘não gosto de política’, mas hoje eu estou aprendendo a gostar. Hoje eu penso diferente e não vou votar mais por votar, vou verificar o que o candidato defende”, diz Fátima Viana, professora e ribeirinha da comunidade Boa Nova (Oriximiná) uma das participantes do ciclo de formação.

Maielza dos Santos Souza da Comunidade Quilombola Pancada (Oriximiná) também aponta a importância da iniciativa: “Estamos abrindo os olhos, que antes, mesmo com ferramentas nas nossas mãos, nunca fizemos uma pesquisa. Votamos em gente que nem conhecíamos direito. Mas, com certeza, vamos começar a verificar melhor e incentivar as outras mulheres a fazerem isso”.

Encontros virtuais que unem as comunidades

Já foram nove encontros virtuais com moradores de 17 comunidades de Óbidos e Oriximiná. O último deles ocorreu em 24 de maio. Outros ainda acontecerão ao longo do ano. Em alguns casos, os encontros tiveram formato híbrido com as pessoas se organizando para participar reunidas na casa de um dos membros da comunidade. Afinal, o tema é de interesse geral.

Os temas abordados nos encontros virtuais também são levados aos fascículos informativos preparados pela Comissão Pró-Índio. Os materiais resumem o que estará em jogo nas eleições de outubro: cargos em disputa, quais são os partidos políticos, e a história do direito ao voto do Brasil. Os três primeiros fascículos já estão sendo distribuídos nas comunidades.

Rádio da Pró-Índio - Ep. 12 - Este ano tem eleições

“Olhando para esse panfleto, eu comecei a estudar ele. Agora eu estou sabendo sobre o nosso direito. Quem conseguiu a votação para as mulheres, analfabetos, estou sabendo só agora. É por isso que a gente se atrapalha. Acabam dizendo que não somos políticos, mas o conhecimento é que não chega até a gente” diz o Augusto Figueiredo, da Comunidade Quilombola Pancada, em Oriximiná.

“Essas informações que estamos tendo agora são muito úteis e boas. Precisamos saber qual a função de um deputado, o que ele pode fazer, pois eles prometem coisas que eles não podem fazer”, avalia Raimundo Ramos, da Comunidade Quilombola Muratubinha (Óbidos).

Acesse os materiais aqui:

Folhetos Informativos

Podcasts já lançados:
Ep. 12 – Este ano tem eleições
Ep. 13 – Voto consciente

Textos, artes e vídeos da Comissão Pró-Índio de São Paulo estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. A publicação, redistribuição, transmissão e reescrita do conteúdo para uso não comercial é incentivada desde que citada a fonte.
Apresentamos links que direcionam para sites externos. A CPI-SP não se responsabiliza pelo conteúdo desses materiais.